Colunista Bruno Pavan Destaque

A HISTORIA DE UM TIME

A história foi feita ontem no Paulo Machado de Carvalho, conhecido popularmente e carinhosamente como Pacaembu mesmo.

A velha casa corintiana, que nunca foi uma casa no papel, mas sempre foi do coração, assistiu o alvi-negro de Parque São Jorge se classificar a sua primeira final da Copa Libertadores da América. Não foi fácil, mas se uma palavra representa a classificação do Corinthians, essa palavra é: merecimento.

Em 180 minutos de um clássico muito equilibrado contra o atual campeão da competição, O Corinthians jogou como gente grande. Frio, esforçado e decisivo em campo, com muita transpiração além de inspiração, a classificação veio no melhor estilo Libertadores.

A Fiel estava lá. Em peso. O ambiente do estádio era o melhor possível. Uma mistura de confiança com expectativa. Não havia o tão famoso pânico pela torneio nunca conquistado. Eu, pelo menos, não percebi. A paciência, tão presente nos 11 vestindo branco, parece que havia se transferido para a arquibancada. Nem o gol santista no primeiro tempo foi capaz de tirar dos trilhos a simbióse perfeita entre estádio-torcida-time.

O segundo tempo veio e o empate que dava a classificação, também. Danilo, o artilheiro do time e a cara da equipe na competição, marcou o seu. Como se não fosse nada. Como se fosse fácil.

Diferente do primeiro tempo, a equipe voltou ao seu jogo de sempre. Marcou na frente e encurralou o adversário em casa. Pronto para dar o bote. O tempo passou, a defesa foi ficando cada minuto mais intransponível. Mas a certeza da classificação vinha junto com uma desconfiança que só quem é corintiano sabe.

Um frio na barriga cada vez que passavam do meio de campo. Um desespero sempre que vinham pela lateral. Mas o time fez um segundo tempo novamente perfeito e conseguiu até mesmo não precisar dos trabalhos de Cássio. O juiz apitou. Sim, para explosão inédita de uma nação, o Corinthians está na final da Libertadores.

Agora é esperar e ver quem será o adversário. Tenham certeza de que quem for, vai ser inesquecível. Vai ser épico. Vai ser único. Como todas as finais, vão ter dois times em campo, e 50% de chances de vencer.

Mas eu tenho certeza de que quem jogar contra o Corinthians vai ter muito trabalho pela frente.

Bruno Pavan

bruno.pavan@yahoo.com.br

bruno.pavan@andressoares.com