Colunista Bruno Pavan Destaque

LONDRES! AS DESCULPAS TUPINIQUINS!

Mais uma olimpíada que se vai. Claro, ainda faltam algumas medalhas a serem conquistadas, entre elas a inédita no futebol. Acho que não é mistério pra ninguém que os brasileiros esperavam mais medalhas. Diego Hipólito, Maurren e Murer, voltaram sem nenhuma. Cielo e o vôlei de praia, retornaram com cores diferentes do que o brasileiro esperava.

A última olimpíada antes de 2016, quando vamos receber o maior evento esportivo do mundo, deveria ter sido melhor do que isso. Não se faz uma potência olímpica em quatro anos. Claro que esse não é o sonho do COB. Isso é um projeto demora décadas. Mas nesse ritmo, vamos decepcionar em nosso quintal.

A campanha brasileira em Londres é a prova de que esporte não é equação onde você coloca dinheiro numa ponta e sai medalha na outra. O Brasil nunca investiu tanto em uma delegação. E, tudo indica, vai sair com o mesmo número de medalhas de Pequim.

Talvez esse tenha sido os jogos que tínhamos mais atletas de ponta. Então, porque cargas d’água, o resultado não apareceu? Desculpas se empilharam, uma em cima da outra, mas poucas convenceram. Fabiana Murer não saltou por conta do vento. Até para nosso cachorrinhos, coitados, sobrou. O cavaleiro brasileiro Zé Reynoso culpou o péssimo resultado do Brasil na competição de equipes no hipismo nos nossos pobres mascotes: “Falta incentivo no nosso esporte no Brasil. A cultura europeia é voltada ao cavalo. No Brasil, as pessoas têm um cachorro em casa. Aqui (Londres) você vê cavalo nos terraços. Dentro do Brasil, também tem muita gente que pode (comprar um cavalo). O próprio governo também pode ajudar. Ele ajuda para tudo quanto é lado e pode uma vez ou outra também ajudar a gente.”

Falta maturidade, experiência de quem se acostuma a ganhar medalhas, para o Brasil. Um trabalho psicológico vai precisar ser feito para os jogos do Rio. Senão vamos continuar cantando os mesmo sambas daqui a quatro anos.

Bruno Pavan

bruno.pavan@yahoo.com.br

bruno.pavan@andressoares.com