Crônicas Destaque

O FUTEBOL

Finalmente ele chegou o domingo, o dia mais esperado da semana.

Levantar antes mesmo de o relógio despertar sentindo aquele frio na barriga e a expectativa de que tudo possa da certo.

O ritual tem inicio colocamos a roupa da sorte separa aquele par de sapato que sempre é usado nesses dias, não tomamos café e o jornal esportivo vira a leitura essencial.

Andar de um lado para outro esperando à hora passar, esperando o momento de sair de casa, esperando o momento de encontrar a galera parece que a hora não passa e o frio na barriga aumenta.

O telefone toca a voz diz: “Estamos chegando”, de repente a buzina toca a hora tão esperada chegou, antes de sair confere todos os detalhes coloca a camisa da sorte confere o ingresso beija a mãe e o pai agora sim vamos embora.

No caminho encontramos carros indo para a mesma direção, a galera cantando sem parar uma euforia só. A alegria é tão contagiante que a vontade de chagar é maior que qualquer coisa no mundo.

Próximo ao local a vibração é tanta que o corpo chega a tremer como a quantidade de pessoas é grande a tensão é redobrada com policias por todo lado colocando ordem e tentando manter a paz para quem esteja chegando fique protegida e isolada das confusões.

Abrem-se os portões chegou o momento de entrar, corremos para a fila, pois ela existe em qualquer lugar, depois é a revista da policia ai só falta um obstáculo que precisamos cruzar a catraca eletrônica, pronto estamos dentro do maior palco da Terra.

O melhor lugar é procurado de onde será visto todos os lances, de onde vamos gritar e passar toda energia possível. A transformação é natural começamos a cantar, aprendemos os gritos de apoio o coração incendeia.

Descobrimos que o momento de começar esta chegando, pois as crianças começam a subir pelo túnel em seguida vem os atores para o maior espetáculo da Terra.

Um apito é soado dando inicio ao espetáculo a massa vibra a cada lance, novos gritos são aprendidos, as canções são intensificadas e os olhos nem piscam, a respiração é prendida a cada lance perdido ou sofrido. Depois de 45 minutos o apito é soado bem alto indicando que teremos um intervalo. Agora teremos espaço aos comentários e discussões sobre os lances gingando o cidadão de preto que inverteu vários lances e deixou de marca outros.

A noite vem caindo rapidamente no momento exato em que os atores vem voltando para o palco e assim concluir mais 45 minutos finais e a esperança de um bom resultado vem estampado na euforia em mais de 30 mil pessoas que não param de cantar e de incentivar, o nervosismo aumenta a cada lance perdido e o grito fica preço na garganta.

De repente ele saiu é como um Tsumani de emoção tomando conta das pessoas, mesmo sem se conhecerem começa a se abraçar, a pular e gritar outros caem no chão, alguns com os olhos cheios de lagrimas e todos com um único grito GOOOOOLLLLL.

O apito trilhar fortemente anunciando o final do espetáculo alegria tomou conta de uma grande parte da torcida o outro lado sai de cabeça baixa e com o pensamento de que da próxima vez teremos mais sorte.

A volta de quem ganhou é sempre mais fácil com historia para contar, pois todos os lances estão vivos na mente as canções já estão decoradas e o lance do gol é repetido por várias vezes.

Ao chegar a casa abraçamos a mãe, cumprimentamos o pai, beijamos o cachorro e a televisão é ligada para ver todos os lances novamente.

Ai vem à pergunta celebre “Que graça tem ver 22 homens correndo atrás de uma bola e um cidadão de preto correndo de um lado ao outro”, a resposta é imediata “NÃO SEI SÓ SEI QUE AMO ESTE ESPORTE”.

Isso é Futebol.

(autor: André Soares – escrito em 23/abril/2009)