Crônicas

PALMEIRAS – 96 ANOS

Na última quinta feira o Palmeiras completou 96 anos de fundação. Nesse post vamos acompanhar o relato de Vitor Watanabe, que é um Palmeirense que vive toda a paixão do verde branco. Seja na alegria ou na derrota.

A IMPONÊNCIA ALVI-VERDE

Difícil contar em poucas palavras, ou até por meio das melhores palavras, o quanto que o Palmeiras – meu time do coração – representa pra mim, neto torcedor da 3ª geração Palestrina.

Difícil, revendo nos álbuns de fotos da memória, escolher uma imagem que caracterize essa força palmeirense que corre milhares de corações brasileiros. Seja na época da Liberta, das vitórias que fizemos os “corinthianos” chorarem, seja na volta da B ou até no último paulistão que vencemos. Não há única foto ou fato que diga e represente essa vibe do incrível Palmeiras.

96 anos de glórias. Sagrou-se campeão do século. Enfrentou times de grande porte e os venceu. Lembro de meu pai contando a vez que o Palmeiras surpreendeu por jogar com uma seleção utilizando o próprio uniforme canarinho do Brasil, das vezes em que o impossível era vivido no campo e das vezes em que gols maravilhosos eram encenados no palco do parque Antarctica. Lembrando que canarinha camisa é e foi uniforme defendido por vários jogadores que passaram pela academia verde e branco e que hoje brilham ou brilharam no futebol brasileiro ou mundial.

Dessa época que vivo o Palmeiras, se assim fosse para escolher um ídolo certamente dispararia meu voto em Marcos – grande herói e santo Marcos, ou até mesmo em Felipão, um dos melhores técnicos do mundo. Mas além de tudo isso, digo sem pestanejar, há uma forte torcida que nestes 96 anos nunca se calou e jamais se calará.

O coração do Palmeiras vem das arquibancadas e junto com os grandes guerreiros em campo formam um batalhão de força imponente, gerando assim a temida Imponência alvi-verde. Jamais vou esquecer de sua gloria, jamais vou desistir de vestir o manto verde e branco, jamais vou deixar  de dizer e bater no peito – seja após título vencido ou amarga derrota – que sou verde e branco, que sou Palmeiras.

Parabéns Palmeiras por tudo o que viveu, o que é nosso ninguém tira. Que venham tempos de ainda mais felicidade. Rumo aos 100 em 2014.

Escrito por Vitor Hugo T.K. Watanabe