Crônicas Destaque

UM CORAÇÃO CORINTHIANO

O que dizer e como começar a escrever sobre a paixão que tenho sobre o Corinthians. Nasci numa família santista e de pai corinthiano. Mas agradeço por meu pai ter conseguido me tornar esse corinthiano, pois a alegria que hoje estou sentindo é tão grande que não cabe no peito.

Ser torcedor do Corinthians não é fácil. Ser corinthiano é o mesmo que ser odiado por muitos e amado por 30 milhões. O corinthiano é aquele que vive intensamente.

Quando nasci em 1974 não sabia e nem tinha noção o que era ser corinthiano. O meu coração se tornou corinthiano em 1979 quando meu pai começou a contar a sua paixão por esse clube. Me ensinou a gritar “TIMÃO, TIMÃO, TIMÃO”.

A minha primeira vibração foi em 1982 quando a democracia corinthiana venceu o São Paulo na final do campeonato paulista por 3×1. Estávamos num Morumbi com mais de 180 mil torcedores aglomerados e comemorando essa conquista.

Foi depois dessa conquista que comecei a entender porque meu avô e meu pai sofriam tanto torcendo pelo Corinthians. Daí pra frente comecei a acompanhar o Corinthians por todos os lados. O que era uma simples torcida, acabou virando uma paixão incontrolável.

As piadas sempre foram intensas e a primeira fase que pude pegar foi a falta de um campeonato brasileiro. Ganha muitos titulos paulista por isso era conhecido como um time de conquistas regionais.

Isso foi quebrado em 1990, com uma bela campanha e a conquista em cima do São Paulo em pleno Morumbi. Depois desse titulo o Corinthians ganhou mais quatro brasileiros.

Ai começou a batalha para conquistar uma libertadaores. Batemos na travem por duas vezes em 1998 e 1999. Nas duas ocasiões perdemos para o nosso maior rival, o Palmeiras. Essas derrotas me deixaram tão triste que nem conseguia falar de futebol.

Para piorar nesse período o Corinthians foi rebaixado para a segunda divisão do campeonato brasileiro. O ano de 2008 também ficou marcado não só pelas piadas que tive que aturar durante o campeonato, mas sim pela campanha marcante do Corinthians. De 38 jogos o timão só avia perdido 1 única partida.

Quando voltou em 2009, pude sentir que uma nova historia estaria sendo construída pelo Corinthians. Depois disso fomos campeões da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro.

Finalmente chegou 2012. O ano mais importante para a consolidação corinthiana. Não posso negar que essa trajetória de 2012, na libertadores, foi um verdadeiro teste cardíaco para o coração corinthiano. Foram jogos de tirar o fôlego.

A cada jogo das oitavas, quartas e semifinais, o coração parecia que ia estourar a cada vitoria, a cada gol marcado. Também tinha que aturar as piadas dos Anti Corinthians que aumentava a cada fase alcançada.

Finalmente chegou a grande final. Em toda grande final, precisava de um grande time e dessa vez era o temido Boca Juniors. O papa títulos da América. Fora que tinha a temida La Bomboneira que teríamos que enfrentar.

Na historia do Corinthians sempre encontramos um predestinado. Isso é histórico e nessa libertadores não foi diferente. Tivemos o garoto Romarinho que calou a La Bomboneira e Emerson Sheik que com dois gols fez a alegria de 30 milhões de corinthianos pelo Mundo.

Ao apito final, foi difícil conter as lagrimas. Eram lagrimas de alegria, pois foram momentos duro de aguentar as piadas, de passar pelas derrotas mais doloridas e eram lagrimas de saber que sou corinthiano e sempre serei.

Pude gritar bem alto É CAMPEÃO. É CAMPEÃO.

NINGUÉM VIRA CORINTHIANO, SE NASCE CORINTHIANO!!!

Escrito por André Soares

andre@andressoares.com