Crônicas Destaque

VOLTA AO ESTÁDIO

No domingo tive a oportunidade de voltar a pisar no palco sagrado do futebol paulista e brasileiro, o nosso eterno Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu, para ver o Corinthians em campo.

A ultima vez que pude estar no Pacaembu, foi na final da Libertadores no dia 04 de julho de 2012, quando vencemos o Boca Juniors por 2×0 e conquistamos a tão sonhada Copa Libertadores da America.

Esse retorno ao estádio, não teve um significado especifico, mas era o clássico Majestoso entre Corinthians x São Paulo. O Corinthians em estado de graça entre torcida e clube, já o São Paulo numa crise sem fim que deixa o time na zona do rebaixamento.

O jogo foi aquilo que todos esperavam. Um Corinthians muito superior ao adversário, mas errando demais na hora de finalizar. O São Paulo entrou em campo para não perder e ao final da partida Paulo Autuori deu um puxam de orelha em todos, porque comemoram o empate e isso não é certo.

No final das conta o empate foi ruim para ambos que não conseguem deslanchar na tabela.

Mas o que chamou atenção não foi o jogo mais sim a tarde maravilhosa que pude passar no Pacaembu.

A diferença Já foi notada na chegada. Você olha alegria no rosto dos Corinthianos. Era um clássico, mas todos estavam felizes de ir ao estádio de poder ver o Corinthians jogar sem o peso de ter que vencer tudo.

Outro fator foi quando comecei a comparar com os amigos quanto estamos ficando velhos, pois na nossa época o cachorro quente era R$ 1,00 real e podíamos comer 10 cachorros quentes. Me lembro como se fosse hoje, era cinco antes de entrar e cinco na saída.

Ontem quando fomos repetir a dose, não deu, pois o além do cachorro quente estar R$ 5,00 reais, a GCM (Guarda Civil Metropolitana) proibi a comercialização e a correria é grande.

Indo para o portão de entrada, pude deparar com mais um caso. Na minha época, você poderia chegar até 30m antes do jogo que você encontrava ingresso na bilheteria, hoje as bilheterias nem abrem no dia e o melhor com a evolução do sócio torcedor, nem fila temos.

Dentro do estádio a situação ainda é muito mais diferente, porque na nossa época encontrávamos mais homem, hoje em dia encontramos famílias e mais famílias. Homens, mulheres e crianças. Isso nada vai tirar a graça, a emoção e a felicidade de estar dentro do estádio.

Ao termino do jogo, não tivemos gritos de burro, ou vaias, ou algo nesse sentido, pois a torcida do Corinthians hoje já, ainda mais, jogo com o clube e torce para o time.

Essa é a evolução das épocas do futebol e eu estou fazendo parte disso, graças a paixão que o meu pai me ensinou de ser torcedor do Corinthians e de ter me ensino a ir aos estádios.

Obrigado ao meu pai, obrigado aos meus amigos e Vai Corinthians.

Escrito por André Soares

andre@andressoares.com

twitter: @andressoares